Lições Aprendidas na Austrália e Nova Zelândia: Iniciando a Viagem

Lições Aprendidas na Austrália e Nova Zelândia: Iniciando a Viagem

São Paulo, BR  a  Santiago do Chile, CH até Auckland, NZ Sexta, 14/03/2014 e Sábado 15/03/2014

Um dia lindo, temperatura agradável e céu azul. Perfeito para viajar. Meu voo saía do Aeroporto de Cumbica em Guarulhos, e minha filha Ana Silvia, a caminho de seu trabalho, me deixou em Congonhas as 07h40. Pegamos, eu e minha mochila, o ônibus da TAM das 09h00 e chegamos ao aeroporto de Cumbica às 10h00. Como meu voo seria só as 14h00 aproveitei para lanchar na sala vip  Centurion da Amex e ficar pesquisando mais sobre Auckland. Todas as anotações eram feitas em meu companheiro inseparável, o smartphone Samsung Galaxy Note II.

O Boeing 767-300 levantou voo as 14h03. Tentei dormir, mas não consegui. Quando sobrevoávamos o monte Aconcágua, que com seus 6.962 metros de altura aparecia furando as nuvens (veja a foto abaixo), puxei conversa com o passageiro ao meu lado e descobri que era o Pérsio, baterista do Zimbo Trio – um grupo instrumental de altíssimo nível, com piano, baixo acústico e bateria, que fez muito sucesso nos anos 60 e 70, tocando sozinho ou acompanhando artistas de renome como Elis Regina. Ele viajava com o restante do grupo, exceto o pianista Amilton Godoy que iria em outro voo, para acompanhar a cantora Leni Andrade em seu show em Santiago. Eu estava rodeado pelo Zimbo Trio e equipe! Quanta honra! Foram longos papos sobre Stanley Clarke, Billy Cobham, Chick Corea, John Mclaughlin, Tom Jobim, Vinicius, João Gilberto etc. Senti-me lisonjeado ao comentarem que era muito difícil encontrar pessoas que conhecessem tão bem todos esses músicos. Aconcagua Estava contando para eles que, há muitos anos, estava assistindo um show do espetacular baixista Stanley Clarke e que na hora do solo da minha música favorita “School Days” ele desceu do palco, foi afastando o público e passando por cima das fileiras de assentos até parar bem na minha frente e  tocar com a sua incrível habilidade todo o solo, quando o Pérsio me interrompeu quase gritando algo como “Isso foi no Projeto SP em São Paulo! Eu estava neste show e falei para meus amigos que daria tudo para estar no seu lugar naquele momento!”. Foi muita coincidência.

Resumindo, ficamos amigos. Soube que, atualmente, o Amilton tem uma escola de piano em Moema onde o Pérsio também dá aulas de bateria. Ele me estimulou a fazer um curso de piano com o Amilton. Trocamos cartões.

Após 3h40 de voo  aterrisamos em Santiago às 17h50, mesmo horário do Brasil, pois ainda estavam em horário de verão no Chile. Um excelente começo de viagem!

Agora teria uma longa espera até 22h20 quando deveria sair o vôo da Qantas. Passeei muito pelo embarque internacional. Aproveitei para já comprar por USD8,00 um adaptador para as tomadas neozelandesas e australianas já que a nossa tomada-jabuticaba não serve em país nenhum. Lanchei um wrap (aquela panqueca metida a besta recheada de qualquer coisa) e tomei uma limonada sem gelo para cuidar da voz que estava um caco. Um torpedo me informava que, no Chile, a operadora Claro cobraria pelo uso da Internet a bagatela de R$29,90 POR DIA!!

O voo para Auckland saiu às 23h15. O avião era um Airbus A340-300 que, como o 767-300, também dispensava aquelas almofadas de pescoço, pois as laterais da poltrona se moldavam à cabeça. Sem sono assisti vários bons filmes (Gravidade, 12 anos de solidão, We are the Millers, esse último quase inteiro) enquanto o passageiro ao meu lado dormia direto. Ele só acordou quando o avião aterrisou no aeroporto de Auckland as 04h15 após 12 horas de voo. Mais tarde soube que havia tomado um remédio para dormir. Que inveja! Após nossa breve conversa, atenciosamente, deixou seu cartão para que ligasse caso precisasse de algo durante minha estadia em seu país e me alertou que na Nova Zelândia não se dá gorjeta. Finalmente estava em solo neozelandês!

Mas, por hoje é só! Até a próxima, no dia 26/05.

6 Comments

  1. Miguel, esse negócio de internet e facebook, nos ajuda além de recordar velhos acontecimentos, reencontrar velhos amigos, vc é pouquinhos anos mais velho que eu, mas aprendi a te admirar com o teu irmão Silvinho, e hoje tenho a certeza de que a minha admiração não é só aquela fantasia de infância e adolescência. Você não precisa frequentar um conservatório para ter aulas de piano, mas sim para “dar” aulas, quanto ao texto está ótimo, forte abraço, muito sucesso.

    MANULA

    • Obrigado pelas palavras, mas cuidado porque o pessoal pode até acreditar. RS RS
      Realmente, a Internet permite rever pessoas como você, que não vejo há décadas, literalmente. Um grande abraço e não desapareça.

  2. Não vejo a hora da próxima parte! Parabéns pela riqueza de detalhes.

    Abs

  3. A viagem está ótima. A cada dia novas descobertas e sensações. Aguardo dia 26 com mais detalhes. Acho que vou acabar indo para a Nova Zelândia.

  4. Miguel, adorei essa história dos companheiros de viagem! O caso do show em Sampa do Stanley Clarke foi DEMAIS!
    Já que gosta do Galaxy Note,VC conhece o APP Evernote? Feito pra VC!
    Sigo adorando os posts!
    Abss

    • Já estou vendo o Evernote. Bem interessante. Fico contente que esteja gostando dos blogs. Abs

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>